sábado, 31 de outubro de 2015

Só o que sinto

Eu tinha esquematizado uma linha de raciocínio para desenvolver em texto aqui. Na mesma rapidez que ele veio, ele sumiu. Agora, tenho mera percepção do que sinto, mas não do que quero falar. Aquele famoso "Não sei o que dizer, só sentir" se encaixa perfeitamente nesse momento. Até porque tem sido assim há um bom tempo. Tanta coisa que venho sentindo, de uma intensidade tão forte, que não sei mais o que falar ou o que fazer acerca, só o que sentir.
De toda forma, eu venho sentindo uma tristeza muito grande. E tudo isso é culpa sua, e você sabe. Você fez tudo errado, transformou tudo o que tínhamos em uma grande dor massacrada por um trator de obras. Você me fez perceber que eu mereço alguém muito melhor que você, mesmo que eu te ame até os ossos.
Eu não queria que as coisas fossem assim. Não queria ter que perceber que a pessoa que eu amo é uma verdadeira escrota e egoísta. Por mais que me doa, eu não posso deixar de pensar e dizer isso: você é egoísta. Todas as coisas que você fez, todas as mentiras que contou, foi tudo egoísmo. E agora seu intercâmbio é puro egoísmo, porque isso é a sua fuga da sua realidade que não lhe parece conveniente. E, enquanto isso, eu ficarei aqui, tendo que colar pedaço por pedaço do meu coração recém partido.
Você estará se divertindo, bebendo, transando, curtindo. Eu estarei aqui, desejando que eu não tenha um ápice depressivo. E a cada festa que você for no final de semana, eu estarei tentando, fracassadamente, colar um novo caco do meu coração, até que ele fique totalmente remendado. Vê as diferenças? Vê o seu egoísmo? Vê que tudo isso é só porque você não quer "perder as oportunidades"? Se você ainda não vê tudo isso, verá na prática.
Mas não espere que eu estarei aqui, com braços abertos ao seu retorno. O primeiro grande passo eu já dei: já reconheci que mereço alguém BEM melhor que você. Alguém que reconheça todos os meus esforços, e que os retribua. O segundo passo também foi dado: admitir para mim mesma que eu PRECISO esquecer você. Estou trabalhando para dar o terceiro. Ainda preciso aceitar o quanto isso vai doer quando você for. Preciso enfrentar essa barra para sair desse poço de lágrimas, dor e sofrimento. E, com isso, seguir minha vida reconstruindo meu coração a base de band-aids.
Mas, por favor, quando você voltar e eu não te quiser, não chore, não sofra. Lembre-se: eu fui rejeitada antes, sei como se sente. E vou poder te dizer: vai passar, por mais que doa. Na grande realidade, vai me doer muito te dizer o grande "Não" que mudará as nossas vidas, mas ele precisará ser dito, cedo ou tarde. Vai me doer muito ver você chorar e sofrer, mas eu sei que vai me doer ainda mais passar por tudo o que tenho passado, pelo resto da minha vida, porque me caiu a ficha que você nunca irá mudar. E se você não mudar, mudo eu.
Eu vou deixar de ser trouxa. Vou passar a me amar mais, tendo mais amor próprio. Se você não me amava o suficiente, porque era egoísta demais, passarei eu a ser um pouco egoísta. Mas um egoísmo bom! Porque eu sei que preciso disso nesse momento. No final das contas, quando você voltar, eu te direi, com muita dor e afinco, mas direi: "You're gonna miss me when I'm gone".

domingo, 25 de outubro de 2015

Hello, this is me, Depression

Você já teve a sensação de que nada na sua vida está dando certo? Que talvez você tenha tomado todas as escolhas erradas e que isso está impactando em todas as suas futuras escolhas? E que você percebeu que essa situação está te deixando, todos os dias, absurdamente triste por se ver tão sem rumo? Bom, prazer, o meu nome é Depressão.
Alguns acham que eu não existo, que não passo de um "termo médico" designado àqueles que estão tristes e precisam de qualquer explicação médica para a forma com que se sentem. Mas, na verdade, eu posso atingir qualquer um. Posso decorrer de uma situação traumática - da morte de algum parente seu, de um término de namoro... -, mas nem sempre eu tenho uma causa certa. Às vezes eu simplesmente apareço. Just like that and BUM, you're depressed.
A primeira coisa que vocês vão sentir é tristeza. Uma tristeza muito grande. Sentirão exatamente como o descrito acima: sem rumo. Então, vocês não sentirão mais vontade de fazer coisas que costumavam adorar fazer. Não sentirão vontade de sair com os amigos. Deixarão a vaidade de lado. Deixarão sua auto estima de lado. Querem uma dica? Não deixem isso acontecer. Se deixarem, eu vou me instalar.
E se eu me instalar, eu apenas ficarei mais intensa. Chegará um estágio em que vocês se sentirão tão sem rumo, que o único rumo que vocês acreditarão ser viável é o de tirar suas próprias vidas. Querem outra dica? Esse é mais um ponto em que vocês não podem deixar que eu me instale ainda mais em suas vidas. Mesmo que esse pensamento não se instale, isso passará pela cabeça de vocês pelo menos uma vez. And that's the turning point. Vocês precisam procurar ajuda.
O grande problema é que vocês vão acabar achando que ninguém poderá ajudá-los. Vocês não querem falar sobre seus sentimentos com ninguém. Vocês acham que será tempo em vão e que ninguém irá realmente se preocupar com vocês dessa forma. E é aí que vocês se enganam. Alguém sempre se preocupará com vocês, sempre desejará o melhor para vocês. Seus pais, por exemplo. Seus amigos. Seu/sua namorada/a. E se nenhum deles se preocupar com você, acredite: existe alguém que se preocupa de verdade, mas você ainda não sabe. Querem mais uma dica? Não esperem que alguém se preocupe com vocês, ajam por conta própria. Preocupem-se consigo mesmos, busquem ajuda, qualquer que seja. Consulte um psicólogo, tome um passe espiritual, reze um terço, desabafe com os seus amigos, escreva no seu blog. Ajude-se da melhor forma possível.
Sabe, a grande dificuldade de me tratarem é que muitas pessoas têm dificuldade de reconhecer que estão deprimidos, então não conseguem ver a necessidade de consultar um psicólogo ou psiquiatra. E, certamente, nem sempre eles são necessários, mas... Querem mais uma dica? Não cabe a vocês ter essa conclusão, cabe a eles. Então reconheçam suas dificuldades, sua situação, suas dores. Não deixe que elas tomem conta de vocês, caso contrário eu me instalo. E quanto mais tempo vocês passarem comigo, mais difícil será para eu ir embora.
Posso dar uma última dica? Se você leu esse texto, achou que se enquadra em todo esse relato, tire o telefone do gancho e marque uma consulta. Let's brace ourselves a goodbye.

sábado, 24 de outubro de 2015

Eu tive um grande devaneio. Pensei sobre mim. Minha vida. Meu presente. Meu futuro. E até mesmo sobre o meu passado. Meus erros e acertos. Perdas e vitórias. Mas eu não consegui achar um saldo. Não me senti realizada com nenhuma das vitórias que tive, mesmo as mais grandiosas. Alguns dos erros acabaram por não me trazer ensinamentos, apenas murros em pontas de facas. Houveram até alguns que causaram impactos em mim, mas não foram ensinamentos: foram só novas rotas a serem traçadas - ué, e não seria isso um ensinamento?
Pensei nos altos e baixos de minha vida. Em todos os momentos em que fui mais feliz, e todos aqueles em que fui mais triste. Pensei no que quero repetir e no que gostaria que fosse descartado de minha memória. De antemão, pensei em você.
Pensei na tristeza que c e r t o s p e n s a m e n t o s me trazem. Na tristeza que sua viagem me acarretará e na saudade que irei sentir. Ultimamente, tudo isso tem sido só o que eu consigo pensar: você. 
Em muitos momentos comprimo minhas lágrimas. Por vezes, as comprimo tanto, que elas se alojam na garganta, não consigo engolir o choro, mas também não consigo deixar as lágrimas rolarem. Em muitos momentos eu só desejo que tudo isso passe e que eu não precise mais ter que comprimir as lágrimas, pois não aguento mais isso. Não aguento.
Tudo isso aqui é o que eu sinto quando penso em você. Ao mesmo tempo que quero que você suma da minha vida, quero que você fique e não fuja. Por que você quer sempre fugir? Você não pode ser assim para sempre. E eu não vou poder te acompanhar sempre. Então por quê você não pode simplesmente ficar aqui, comigo, para sempre?
Fica.