terça-feira, 18 de agosto de 2015

Do que me aflinge

Vejo você saindo, curtindo, turistando, conhecendo lugares e pessoas novas. Enquanto eu vivo a minha rotina trabalho-casa-faculdade. Eu não estou conseguindo te entender. Talvez nem você consiga. Sei bem o que eu quero e é você, nunca deixou de ser.
Fazem exatos sete dias que nosso relacionamento teve uma pausa, por assim dizer. Você disse que não era um ponto final, mas um ponto e vírgula. Disse que precisa se reencontrar, que está confusa. Disse que me ama. E eu não sei se acredito. Você diz que sofre, mas eu não vejo isso. Diz que sente saudade. Mas como você pode sentir saudade e querer ficar sozinha ao mesmo tempo? Não faz sentido.
Me disseram que por mais que eu esteja sofrendo, que eu lhe ame e que eu devo ter o meu tempo de dor pela situação, eu preciso te esquecer. Disseram-me que eu mereço alguém melhor. Mas como posso ter alguém melhor se quem eu quero é você? Isso as pessoas não entendem. E às vezes nem eu entendo...
Fizeram o favor de me lembrar sobre aquela frase proferida em As vantagens de ser invisível: "A gente recebe o amor que achamos merecer". Ando refletindo muito sobre isso. Por vezes sinto minha cabeça dar um nó e por outras entendo a citação de forma translúcida. Mas nesse meio tempo tudo o que eu realmente quero entender é o que se passa pela sua cabeça.
Digo, se tivemos um fim, eu quero entender o porquê. Você tentou me explicar e eu continuo sem entender como alguém pode querer ficar sozinho. Isso é muito solitário. Já estive sozinha por um bom tempo antes de encontrar você e eu sei como é: é terrível. É muito ruim não ter alguém que te entenda completamente, que te ame acima de qualquer coisa, que cuide de você mesmo que você esteja com uma doença contagiosa. É muito solitário perceber que não há ninguém que estará lá por você 24/7. E você pode até dizer "Ah eu tenho meus amigos! Eles me ajudam em tudo!". Eles podem até ajudar, mas quando você estiver sozinha rolando na cama antes de dormir, desejando que houvesse alguém ali para lhe esquentar, entenderá o que estou querendo dizer.
Mas é claro, espero que você não passe por isso. Espero que um dia eu possa voltar a ser esse alguém a esquentar a sua cama, cuidar de suas doenças, fazer-lhe café-da-manhã, dizer-lhe o quanto te amo e o quanto é linda mesmo vestindo aquele pijama velho e furado que eu detesto. Talvez um dia isso tudo passe e você se arrependa do que aconteceu, e talvez até deseje que não tivesse acontecido. Mas novamente, não espere se sentir solitária para perceber tudo isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário