segunda-feira, 28 de junho de 2010

Patriotismo do tipo enganação

Clima de futebol é bom demais, não é? Aquela torcida vibrante, os nossos queridos jogadores em campo, o treinador dando berros que, quando a câmera pega, rimos até não podermos mais, com todos aqueles palavrões. Tudo isso é muito bom.
E aquela velha rivalidade com a nossa vizinha? É muito bom também, principalmente quando você está naquela rodinha de amigos, assistindo ao jogo, ou apenas fingindo, porque quer estar mesmo é com os amigos. Mas fingir? É realmente necessário fingir ser um torcedor nato para se encontrar com os amigos durante a Copa do Mundo?
Veja por exemplo, o meu pai. Ele vibra, xinga, pula, chora. Tudo por instinto brasileiro, por amor ao futebol. Já eu, não xingo, não pulo, nem choro, mas vibro, e acho que isso basta. Já pessoas do meu convívio - as quais, não irei citar os nomes - vibram, xingam, pulam e choram, mas tudo por enganação. Quais seriam os fins lucrativos para matar o patriotismo dessa maneira? Diabos, se você não é patriota, bata no peito e grite "Não sou patriota!". Isso não tomaria tanto do seu tempo.
Mas é claro que os anti-patriotas não farão isso, pois nós, brasileiros, somos vistos como os torcedores mais dedicados à nossa seleção. Além disso, como iríamos nos encontrar com nossos amigos nos dias de jogo? Simples: não encontraria.
É, meu caro(a), o brasileiro é assim mesmo. Maria-vai-com-as-outras. Se um amigo é patriota, todos são. Mas note que se um não for patriota, os outros não agirão como ele, mas o excluirão. Que coisa, ein? É, a sociedade é assim mesmo. Cada um por si, e Deus por todos. Só não se esqueça que o 'cada um por si' equivalirá ao grupo de patriotas.

Um comentário:

  1. eu sou como você, apenas vibro
    não xingo, comemoro, pulo.
    e concordo
    e não estamos errados

    ResponderExcluir